• Gestão de Pessoas Eneagrama

Persistente ou Teimoso?

Você já se deu conta de como as pessoas estão impacientes? Nos relacionamentos conjugais existem estatísticas mostrando que 40% dos novos relacionamentos acabam em separação. É quase um jogo de “cara ou coroa”, e alguns ainda dizem: “se não está dando certo, parto para outra relação, a fila anda”. Há alguns dias, conheci um médico que estava no seu sexto casamento (concorrendo com o Vinicius de Moraes), ele me disse que começava a achar que o problema era com ele.


No ambiente profissional ouço constantemente reclamações sobre a impaciência com o ritmo do outrocom as dificuldades do outro ou com tudo que não for como o indivíduo quer que seja. Veja alguns casos que exemplificam o que estou dizendo:

Caso 1:

Conheci uma executiva um dia desses, ela queria que eu fizesse um treinamento com toda sua equipe, então fui visitá-la e me deparei com o seguinte discurso: “quero que você faça com que eles sejam como eu, vejam o que tem que ser feito e façam imediatamente. Estou cansada de dizer para as pessoas o que é obvio!” E o discurso continuou neste tom.

Como estávamos em uma sala com paredes de vidro, notei que a secretária dela, que também era recepcionista da empresa, tinha atendido umas 5 ligações, conversado com mais 3 pessoas que aparecerem lá e entre uma e outra ligação, digitava alguma coisa, tudo acontecendo em 30 minutos. Foi quando perguntei para esta executiva: “se você fosse interrompida tantas vezes como se sentiria?”Ela nem deixou eu explicar direito e já respondeu que teria um ataque. Calmamente comentei: “então não é bom que a sua secretária seja diferente de você?”

Caso 2:

Na reunião de condomínio a síndica se queixava que tem que dizer mil vezes a mesma coisa e que ninguém presta atenção para aquilo que é importante. Caí na besteira de dizer que ponderasse um pouco, afinal se ninguém dá importância, talvez não tenha mesmo tanta importância. Ela nunca mais falou comigo.

Percebem que esta impaciência generalizada acaba virando raiva? Mas como RAIVA é uma palavra politicamente incorreta, a maioria só reconhece quando chamo de INDIGNAÇÃO. Indignação pelas  coisas não serem como gostaria que fossem.

Tem um ditado interessante sobre isso dizendo que: sentir raiva é como tomar veneno esperando que o outro morra. É claro que quem mais sofre com a indignação é quem sente, mas existem outros prejuízos e um dos que quero chamar a atenção é para a RIGIDEZ.

A consciência quando está impregnada de indignação não reconhece outras possibilidades, fica fixada em uma perspectiva empobrecida, que sustenta a ilusão de que se o exterior mudar, então não terei mais raiva. Ou seja, o mundo é que tem que mudar.

Pior ainda é quando a pessoa assume este papel perfeccionista e se sente virtuoso em querer mudar o que está  errado. Aqui temos então um cri-cri que está  focado no erro, sem se dar conta do restante ou da importância disso no contexto.

Mas cuidado para não confundir o persistente com o teimoso.

O persistente quer chegar a um objetivo específico e está aberto aos caminhos que possam lhe levar lá. Já o teimoso acredita que somente o seu caminho o leva a este objetivo.

Quer saber se você esta vibrando em persistência ou raiva?

Para saber isso tem uma pergunta fácil que você pode se fazer: você tem se surpreendido positivamente com as pessoas e com as situações?

Bom, se nem as pessoas e nem as situações tem lhe surpreendido positivamente, é bem provável que seu nível de exigência tenha se excedido, e talvez não demore muito para você dizer: “As vezes nem eu me aguento!”

Reflita sobre isso!

Até mais,

Márcio

2018-02-21T14:17:37+00:00 Dicas de Gestão de Pessoas|