Você quer ter razão ou ser feliz? Em nenhum lugar este questionamento é tão relevante quanto nos relacionamentos. É isso mesmo, acredito que existam inúmeras situações onde ter razão seja mais importante do que se feliz. Mas não é o caso na maioria das situações em um relacionamento.

Atualmente somos constantemente bombardeados com informações, sejam elas visuais ou sonoras, assim fica difícil abrir espaço para arte de ouvir. Além disso, existem muitas formas diferentes de ouvir e que nem sempre são consideradas importantes. Por exemplo, você deve conhecer pessoas que são “todo ouvidos”, têm uma paciência de Jó e acabam servindo de penico para os outros. Esse pode ser um tipo de ouvir, que quando é praticado conscientemente ajuda a libertar as tensões dos outros e propicia um momento para que o outro possa organizar suas próprias idéias.  É aquele ouvir que pergunta, “mas como assim?”, ouvindo até que o outro reconheça suas próprias contradições.

É conhecido o ditado “prudência e canja de galinha não fazem mal a ninguém”. Sem dúvida nos tempos em que vivemos, a prudência é sempre bem-vinda. Ela é tão importante que até a considerei uma Competência Emocional e a coloquei no ponto 6 no Eneagrama das Competências Emocionais.

Quando a nossa consciência está identificada com o ambiente externo, as emoções costumam estar no controle do indivíduo. São elas que determinam a linha de raciocínio em que a mente desse indivíduo atuará.

Um fato comum em muitas relações profissionais e relacionamentos conjugais é a dificuldade em dar e receber feedbacks.  E olha que tem material a dar com o pau sobre o assunto. Mas o que se percebe nessas relações não diz respeito à questões técnicas do como falar, mas sim da postura armada, da indisposição do receptor e da inabilidade do emissor em desarmar o receptor. Até porque quando recebemos um “feedback negativo”, que se propõe a nos ajudar a perceber o que muitas vezes não percebemos, normalmente sofremos um certo desconforto.

Estamos vivendo um momento muito diferente na história da humanidade. Estamos saindo da era do “resultado a qualquer preço” e estamos entrando na era da “Felicidade”. Nunca se falou tanto de felicidade quanto agora. Existe até uma área da psicologia chamada de Positiva ou a Ciência da Felicidade.

Certa vez, conheci uma pessoa que afirmava ser impossível ir ao cinema em Florianópolis. Ouvindo essa afirmação, fiquei tentando entender do que ela estava falando, pois tenho o hábito de ir ao cinema quase todas as semanas e isso não fazia sentido algum para mim. Intrigado com aquela afirmação, perguntei o que ela queria dizer e então ela me explicou que o problema era a falta de educação das pessoas que vão ao cinema, elas ficam comendo pipoca durante a seção e o barulho que fazem torna impossível prestar atenção no filme.

O sucesso profissional, as conquistas na vida pessoal (como casamento, filhos, casa própria, a viagem dos sonhos, etc.), são coisas que muitas pessoas desejam ao longo da vida e batalham muito para conseguir. Mas nem sempre fazemos o que é preciso para alcançar essas realizações. A mudança assusta e provoca um medo que às vezes não conseguimos identificar. Não percebemos o quanto estamos trabalhando contra nossos desejos por medo da mudança. Em alguns casos, esse medo se torna até paralisante.

Durante algum tempo era comum se dedicar doze ou mais horas por dia ao trabalho e não ter muito tempo para lazer ou família. Quanto mais tempo no trabalho, maior era a imagem de “pessoa importante”, a vida pessoal estava em meio a vida profissional e a falta de fronteiras distintas era vista com naturalidade pela maioria das pessoas.

As relações familiares podem ser um dos aspectos mais felizes da nossa vida, mas também um dos mais conflituosos. As pessoas que fazem parte da nossa família estão em um lugar especial em nossos corações, é com elas que partilhamos os maiores e melhores momentos de alegrias e também de tristezas. Mas é claro que há diferenças de personalidade e estas diferenças, muitas vezes tornam os relacionamentos mais difíceis e conflituosos.

Pagina 1 de 3
  • Rod. Aroldo Soares Glavan, 4.940
    Cacupé
    CEP 85.050-005 - Florianópolis - SC
  • CNPJ. 00.416.973/0001-06
  • e-mail:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • Acompanhe-nos:
    FacebookYoutubeLINKEDINTwitter

Assine nossa Newsletter


Nome: *
E-mail: *